News #30 | Coleção Feminismos Plurais

Oies Bookaholics!

Sob coordenação da autora Djamila Ribeiro a Coleção Feminismos Plurais tem como objetivo trazer temas centrais nos debates relacionados às questões de raça, gênero e classe por uma perspectiva acadêmica, entretanto com uma linguagem mais acessível ao público leitor.

 

Em tempos que há tanto discurso de ódio, acredito que esta é uma excelente oportunidade para aprendizagem sobre os assuntos que tratam especificamente das mulheres negras e o porquê da comunidade negra no geral sempre esteve em posição de inferioridade e a que está mais vulnerável e sob opressão. Por isso, o diferencial é que os livros tem o preço fixo de R$ 19,90, visando mais uma vez a acessibilidade e condições de leitura.

Os livros estão disponíveis na Amazon e no próprio site da editora Pólen Livros, esta última opção com frete grátis para todo o Brasil.

A coleção foi publicada primeiramente em 2017 pela editora Letramento, mas agora em 2019 está sendo publicada pela editora Pólen Livros, contando com uma nova revisão dos textos e nova identidade visual. No dia 30 de abril, aconteceu o evento de relançamento da coleção e eu até fui ao Centro Cultural São Paulo, e estava lotado, adquiri apenas dois títulos e pedi para uma colega de trabalho autografar para mim porque já estava bem tarde. O evento teve de tudo, desde venda e autógrafos de livros, como shows, maiores detalhes nesse link.

Por enquanto há seis volumes publicados, sendo eles:

 

LUGAR_DE_FALA_1554909772867917SK1554909773BLugar de fala (Djamila Ribeiro)

Muito tem se falado ultimamente sobre o conceito de lugar de fala e muitas polêmicas acerca do tema têm surgido. Fazendo o questionamento de quem tem direito à voz numa sociedade que tem como norma a branquitude, masculinidade e heterossexualidade, o conceito se faz importante para desestabilizar as normas vigentes e trazer a importância de se pensar no rompimento de uma voz única com o objetivo de propiciar uma multiplicidade de vozes. Partindo de obras de feministas negras como Patricia Hill Collins, Grada Kilomba, Lélia Gonzalez, Luiza Bairros, Sueli Carneiro, o livro aborda, pela perspectiva do feminismo negro, a urgência pela quebra dos silêncios instituídos explicando didaticamente o que é conceito ao mesmo tempo em que traz ao conhecimento do público produções intelectuais de mulheres negras ao longo da história. Em Aprendendo com o outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro, Patricia Hill Collins fala da importância das mulheres negras fazerem u m uso criativo do lugar de marginalidade que ocupam na sociedade a fim de desenvolverem teorias e pensamentos que reflitam diferentes olhares e perspectivas. Pensar outros lugares de fala passa pela importância de se trazer outras perspectivas que rompam com a história única.

 

EMPODERAMENTO_1556755546765696SK1556755547B Empoderamento (Joice Berth)

Uma discussão sobre a Teoria do Empoderamento, a partir de diversas matrizes teóricas que hoje se dedicam ao tema. São pensadores que entendem empoderamento como aliança entre conscientizar-se criticamente e transformar na prática, algo contestador e revolucionário na sua essência. Muito mais do que a tradução literal de um termo estrangeiro, é uma prática cotidiana para a igualdade.

 

 

encarceramento em massaEncarceramento em massa (Juliana Borges)

Por que fazer um livro sobre encarceramento, sistema de Justiça Criminal punitivo e feminismo negro? Qual é o ponto de conexão entre estas pautas? Por que prisão, punição, superencarceramento interessa às mulheres, prioritariamente às mulheres negras? Pode parecer fora de lugar falar em racismo, machismo, capitalismo e estruturas de poder em um país que tem em seu imaginário a mestiçagem e a defesa como povo amistoso celebrada internacionalmente. Contudo, parece absolutamente pertinente refletir, escrever, falar e lutar nestas pautas quando os dados estatísticos nacionais provam o contrário do discurso comemorado e largamente difundido.

 

interseccionalidadeInterseccionalidade (Carla Akotirene)

Neste volume, a autora Carla Akotirene discute o conceito de interseccionalidade como forma de abarcar as interseções a que está submetida uma pessoa, em especial a mulher negra. O termo define um posicionamento do feminismo negro frente às opressões da nossa sociedade cisheteropatriarcal branca, desfazendo a ideia de um feminismo global e hegemônico como diretriz única para definir as pautas de luta e resistência.

 

518Y53mfkQL._SX366_BO1,204,203,200_ Racismo estrutural (Silvio Almeida)

O que é racismo estrutural? traz reflexões inovadoras acerca da construção das noções de raça e racismo. Depois de fornecer argumentos e tecnologias para a escravidão e o colonialismo, tais conceitos desafiam as sociedades contemporâneas como o Brasil, onde crescem anseios por igualdade racial. A indagação central da obra exige resposta complexa, englobando aspectos históricos, políticos, sociais, jurídicos, institucionais. O autor nos convida à sua demonstração, tecida em análises feitas à luz da filosofia, ciência política, economia e teoria do direito. Com escrita sedutora e admirável erudição, Silvio Almeida finca o produtivo conceito de racismo estrutural. Seu livro constitui-se, desde já, em importante referência para a educação antirracista, calcada nos valores da igualdade, liberdade e direito à vida.

 

racismo recreativoRacismo recreativo (Adilson Moreira)

Neste volume da coleção Feminismos Plurais, pela primeira vez, a relação entre racismo e humor é aprofundada. Por um ponto de vista jurídico, o advogado, doutor em Direito, Adilson Moreira esmiúça os conceitos de racismo e injúria racial, explicitando o viés racista da Justiça brasileira quando sentencia que produções culturais, como programas humorísticos, que reproduzem estereótipos raciais não são discriminatórias por promoverem a descontração das pessoas.

 

Até o próximo post!

 

Redes sociais *Skoob/ *Goodreads/ *Instagram/ *Facebook/ * Filmow

4 Comentários

  1. Não conhecia essa editora Pólen. Achei a coleção bem renovadora e atual! Esses dias estava na livraria cultura aqui em SP e eles fizeram um especial reservando uma bancada inteira apenas de livros escritos por mulheres. Achei super interessante.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Oies! Essa editora é nova mercado mesmo, e estou apaixonada por essa coleção ❤ E que mara essa iniciativa na Cultura, acho que precisamos cada vez mais desse tipo de ação!

      Curtido por 1 pessoa

  2. […] Jarid. Lizandra também aponta a coleção Feminismos Plurais (que eu inclusive fiz um post sobre, confiram neste link) sob a organização e curadoria da Djamila Ribeiro, e considera o ápice da representatividade no […]

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: